top of page
Buscar

ATRASO DO LICITANTE NA SESSÃO OU NO PROCEDIMENTO ELETRÔNICO É TOLERÁVEL, NÉ? NÃO, NÃO É.

Por Roberto Schultz


Noutro dia, fazendo (ou tentando fazer) um recurso administrativo para um cliente numa importante concorrência estadual (sim, o mundo das licitações não é só o pregão eletrônico e aguardem as novas modalidades que vêm por aí #novaleidelicitacoes), percebi que quase ninguém mais discute a questão do ATRASO NO HORÁRIO (#atrasonasessaolicitacao); ou até de atraso no MOMENTO PROCEDIMENTAL (#atrasonaentregadedocumento), numa licitação.


Para minha surpresa tudo o que se fala a respeito, especialmente na jurisprudência, são “julgados velhos”, a ponto de ter se estabelecido uma espécie de “senso comum”(inclusive na doutrina) de que atrasos (então chamados de “pequenas falhas”) podem ser tolerados.


Não sei se isso é realmente o tal #formalismomoderado ou se é uma inata vocação do brasileiro para se atrasar e encontrar uma justificativa esfarrapada para isso, mas o fato é que tolerar atraso de horário ou de fase procedimental – convenhamos – não pode se tornar “normal”, menos ainda para esquentar a preguiça básica ou a desídia de alguns.


Há quem justifique isso dizendo – em relação às sessões de licitação – que os licitantes não precisam necessariamente estar presentes à sessão, que essa presença é dispensável, o que, de fato, às vezes (e só ás vezes), é mesmo.


Não é o que acontece no momento presencial da PROPOSTA DE PREÇOS (era o caso que defendíamos aqui), por exemplo, onde é necessário dar lances ou concordar com a proposta de menor preço ofertada na licitação. Não é possível, e nem aceitável, uma “concordância tácita” nesses casos, é preciso que ela seja expressa. Isso porque não se faz, obviamente, “negociação de preços”, sem a presença física ou virtual do licitante.


Então, parece claro que para “negociar preços”, alguém precisa obrigatoriamente dizer “aceito!” ou “não aceito!”. E nem se alegue que há uma disposição do edital dizendo que “todos acompanham a proposta de menor preço”, porque a licitação ainda é formal e a única maneira de manter-se a igualdade entre os licitantes é mantendo-se o registro formal - e obedecendo à Legislação - das condições propostas.


Para efeitos de legalidade e de igualdade (ou de isonomia) entre os licitantes, não vale, pois, a aceitação “tácita”. Ela necessita ser EXPRESSA. Até para que o licitante tenha o direito de eventualmente DISCORDAR do preço.


Outro cavalo-de-batalha que observei nesses julgados (repetindo, a maioria já meio "antigões") é a velha história de que “foram apenas dez minutos”; ou até cinco minutos, de atraso. A meu ver (e na defesa que fiz do tema), isso não importa.


Atraso é atraso e serve para desclassificar. Não tem choro.


Geralmente essas sessões são convocadas com alguma antecedência e se TODAS as demais licitantes já estavam lá, não haveria razão alguma para que a única “dispensada” fosse a licitante atrasada.


Também não “cola” chegar atrasado e fazer consignar manifestação em ata, sob o pretexto de que “se manifestou formalmente”, pois não basta comparecer; é preciso comparecer NO HORÁRIO MARCADO. E a manifestação permitida pelo pregoeiro ou presidente da comissão é apenas isso: um registro. Não significa “aceitação de recurso antecipado ou tolerância com proposta intempestiva”.


Aí entra-se nas alegações materiais para justificar o atraso e não mais as alegações jurídicas para tolerar o atraso e não ser desclassificado na licitação, como já mencionamos antes.


Alguns alegam a ocorrência de “grave incidente”; e isso serve para enquadrar desde a hospitalização da sogra até uma barbeiragem de trânsito (própria ou alheia), passando pelo pneu furado; chuva torrencial, engarrafamento e outros.


Se formos abordar a questão que realmente justifique um atraso dessa natureza, poucas serão as situações realmente aceitáveis para essa justificativa.


Obviamente que a maioria tentará considerar um atraso dessa natureza como os já populares (e meio manjados) caso fortuito e força maior, mas pela doutrina e – sobretudo - pela jurisprudência, esse enquadramento dificilmente será possível. É preciso analisar cada fato com lupa e ver se o “grave incidente” realmente teria a força suficiente e invencível para evitar a chegada do licitante à sessão de licitação ou ao momento de se manifestar ativamente.


A tônica nesse momento, especialmente pelos julgadores administrativos, deve ser inegavelmente a comparação com os demais licitantes.


Veja.


Se todos os demais licitantes chegaram mais cedo do que o horário ou, na pior das hipóteses, dentro do horário marcado, desconsiderar isso é desconsiderar a isonomia; a igualdade de tratamento. Não é uma questão de ser “formalista demais”, como sempre alegam. É questão de ser justo; legal, vinculado ao edital e, sim, formalista, pois a licitação é um procedimento eminentemente formal.


Não dá para encarar; como alguns vêm fazendo, a palavra “formal” ou “formalista” como se fosse um xingamento. Em alguns momentos o que vai prevalecer é realmente o formalismo, pois o formalismo é a regra e as regras precisam ser cumpridas. O que não é lá um hábito muito brasileiro.


A única maneira de conceder um tratamento isonômico é seguindo as mesmas regras para todos. E chegar “apenas” cinco ou dez minutos atrasado pode, em lugar algum no mundo, ser considerado como “chegar no horário”.


A doutrina – que estranhamente silencia, ultimamente, sobre essa questão do atraso – enfoca, pelo menos, a questão da chamada fase de credenciamento, num pregão.


E diz, de um modo geral, que o credenciamento, por exemplo; assim como cada uma das fases do pregão, tem momento próprio para ocorrer. Até o credenciamento do último licitante, o pregoeiro poderá credenciar licitantes que chegarem atrasados.


Também diz, essa mesma doutrina, que efetuado o credenciamento do último licitante presente na sala da sessão, findo este e aberta a sessão, não haverá mais possibilidade para credenciar licitantes que chegarem após este ato.


É bem verdade que o autor JOEL DE MENEZES NIEBUHR, entende que o edital deverá trazer a regra de que o credenciamento permanecerá aberto até momento anterior ao início da etapa de lances. Aberta a etapa de lances, não mais seria possível credenciar licitantes atrasados. É uma visão doutrinária que ainda compactua com o atraso, embora com algumas ressalvas. Respeito o renomado autor, porém discordando dele.


Por fim, depois das razões jurídicas encontradas na doutrina e das justificativas materiais para o atraso, os licitantes que se atrasaram costumam invocar a “falta de motivação” para essa desclassificação, eis que nem a Legislação e nem o edital costumam prever esse tipo de atraso.


Mais ou menos.


Fato é que A MOTIVAÇÃO reclamada para a desclassificação está no próprio edital e na Legislação, quando a licitante simplesmente DESCUMPRE O HORÁRIO E O MOMENTO para “propor preços” (ainda que seja por concordância com outra proposta), enquadrando-se isso naqueles casos em que a proposta é desclassificada “por não atender às exigências do edital e dos seus anexos”, cláusula penal comum e que consta em qualquer edital publicado.


O mesmo se aplicando àquela cláusula que dispõe que o julgamento se vinculará ao atendimento das condições estabelecidas no edital ou até à famosa e onipresente declaração de que a licitante concorda com TODOS os termos do edital.


Por fim, e para suprir a ausência atual de julgados “mais modernos” sobre a questão do atraso às sessões de licitação ou mesmo o atraso à manifestação tempestiva num pregão eletrônico, consulte-se a jurisprudência sobre a chegada tardia de candidatos a concursos públicos e até aos exames pré-vestibulares, embora eu prefira a comparação com os concursos públicos.


A jurisprudência sobre atrasos em concursos, sim, essa existe farta.


Temos o hábito repetitivo de denominar às licitações de “certame”, mas fato é que o concurso público também é um certame, e público, e tem a mesma origem e a mesma essência jurídica de uma licitação.


Deve garantir igualdade, legalidade, vinculação ao edital (sim, concurso também tem edital) e todas aquelas disposições já consagradas pela Lei 8.666/93 e confirmadíssimas pela atual Lei 14.133/21; a Nova Lei de Licitações.


Esses princípios – outro erro – têm sido meio afastados quando estamos tratando de um pregão (por ter o pregão uma específica) ou de uma licitação numa estatal (idem, Lei 13.303/16), sob a justificativa de que "não se aplica a Lei de Licitações".


Isso é um engano.


Aliás, pouca gente presta atenção a isso, mas essas disposições e esses princípios não são originalmente da Lei de Licitações, ainda que eles sejam repetidos a cada nove, dentre dez recursos administrativos, como um papagaio matraqueando. São da Constituição Federal.


E, por isso, estão hierarquicamente acima de todas as demais Leis.




Se desejar, COMENTE este artigo ou PERGUNTE sobre o tema,

como "CONVIDADO" (marque a opção), aqui abaixo.


Você não precisa se identificar, se não quiser.

Assim que possível, responderemos na própria caixa de comentários.

28 visualizações0 comentário

Comentarios


bottom of page